31 de ago de 2010

Van Morrison, Neil Young, Perlman, Schenker, Michael Jackson, Stones, Baleiro, Rory Gallagher, Ozzy, Lady Gaga, Jay-Z+Coldplay, Walkmen, Green Day, JB



Rip JB!

*****

O Green Day anunciou que está gravando álbum ao vivo da turnê "21st century breakdown". E, durante show em Denver, na última sexta-feira, a banda apresentou uma música inédita chamada "Cigarettes and valentines", que está logo aí embaixo.



*****

Como assim?: Noel Gallagher agora é baterista do Paul Weller?? Hein??

*****

Duas novidades para os fãs do The Walkmen: 1) o seu novo álbum, "Lisbon", já está disponível para audição na internet. Gostei do pouco que ouvi; 2) uma versão de "Driver 8", pérola do álbum "Fables of the reconstruction" (1985), do R.E.M., também já está na internet. É quase uma heresia, mas a versão pode até estar melhor do que a original...

*****

Quem também lançou música nova foi Jay-Z. Em parceria com Chris Martin, do Coldplay. O problema é que "Most kingz" é mais Jay-Z do que Coldplay...



*****

A quem interessar possa, Lady Gaga apresentou música inédita durante show ontem em Minnesota. O nome da música é "Living on the radio".



*****

Dois meses após o lançamento de "Scream", Ozzy Osbourne anunciou que vai lançar uma edição expandida do álbum, com um CD a mais contando com sete músicas. Das sete novas faixas, três são inéditas, e sobraram das sessões de "Scream". As outras quatro faixas foram gravadas ao vivo durante a turnê do álbum, em Folkestone e Birmingham. Além das faixas em áudio, há o videoclipe de "Let me hear you scream", o making of do vídeo e da gravação do álbum também. O lançamento ocorre no dia 13 de setembro, e as faixas extras são as seguintes: "Hand of the enemy", "One more time", "Jump the moon", "Bark at the moon" (ao vivo), "Let me hear you scream" (ao vivo), "No more tears" (ao vivo) e "Fairies wear boots" (ao vivo).

*****

Os fãs do Rory Gallagher podem preparar os bolsos. Sai no dia 13 de setembro um pacote com CD e DVD cheio de raridades do guitarrista. O DVD duplo "Ghost blues" contará com um documentário sobre a carreira de Rory, repleto de depoimentos de gente como Bob Geldof, The Edge, Cameron Crowe, Slash, Johnny Marr e Bill Wyman. Além do documentário, o DVD trará 90 minutos de um show inédito do guitarrista, no programa da televisão alemã "Beat Club". Sairá também uma versão reduzida desse show no CD "The Beat Club sessions". O repertório dessa apresentação foi o seguinte: "Laundromat", "Hands up", "Sinnerboy", "Just the smile", "Used to be", "In your town", "Should've learned my lesson", "Crest of a wave", "Tore down", "Pistol slapper blues", "I don't know where I'm going", "Going to my hometown", "I could've had religion", "McAvoy boogie", "Hoodoo man" e "Messin' with the kid".

*****

"Vocês vão ter que me engolir". Esse é o nome do pacote que Zeca Baleiro está colocando nas lojas. Após o término de seu contrato com a MZA Music (gravadora que o lançou), Baleiro lança, pelo seu próprio selo (Saravá Discos), dois novos CDs. O primeiro é "Concerto", gravado ao vivo no Teatro Fecap, em São Paulo, no mês de março deste ano. No repertório, o maranhense toca canções de seu repertório (como "Canção para ninar um neguim", em homenagem a Michael Jackson), além de covers como "Eu não matei Joana D'Arc" (do Camisa de Vênus), "Autonomia" (Cartola) e "Best of you" (Foo Fighters). O outro título, "Trilhas", é composto por músicas escritas para filmes e espetáculos de dança. Além dos álbuns, Baleiro prepara o lançamento dos livros "Bala na agulha (Reflexões de boteco, pastéis de memória e outras frituras)" e "Vida é um souvenir made in Hong Kong – Livro de canções", bem como do espetáculo infantil "Quem tem medo de Curupira?".

*****

Quando os Rolling Stones encerraram a sua turnê do álbum "Tattoo you", em julho de 1982, parecia que eles nunca mais voltariam aos palcos. Lançaram dois discos (em 1983 e em 86), e nada de turnê. Em 1989, foi a vez de "Steel Wheels", e, para surpresa de todo mundo, a banda anunciou que faria uma turnê. Foram quase oito anos sem shows. Hoje, esse tempo pode até ser considerado normal. Mas, naquela época, não. A impressão era que Mick Jagger, Keith Richards e companhia nunca voltariam a dividir um palco. Toda a dúvida acabou pra valer no dia 31 de agosto de 1989, quando os Stones (ainda com Bill Wyman no baixo) subiram no palco do Veterans Stadium, na Filadélfia. Foram 115 apresentações no total. Bandas como Living Colour e Guns n' Roses foram as responsáveis pela abertura dos shows. Chique, não? Em 1990, a Fox transmitiu uma das apresentações da turnê em 3-D. Mais tarde, o mesmo show foi lançado em VHS e LD, no formato IMAX. No ano seguinte, foi lançado o álbum "Flashpoint", com algumas músicas gravadas durante a turnê. E, finalmente, nesse ano, saiu a nova versão em DVD e BD.



*****

Vou continuar falando de discos, embora muita gente mais nova não saiba o que é isso. Bom, quando Neil Young lançou "After the gold rush", eu nem sonhava em nascer. Mas me lembro muito bem do dia em que comprei "Bad", de Michael Jackson, pouco depois de seu lançamento. Foi no supermercado Freeway (existe ainda?) com a minha mãe. Quando eu tinha meus sete, oito anos, sempre que rolava, eu comprava um disco (de vinil, claro). Aí, um mês depois, eu ganhava outro. E assim ia levando... E o que eu fazia nesse intervalo de um mês? Ouvia o mesmo disco, claro. Ou então uma rádio para dar uma variada. Hahaha... Talvez esse seja o motivo de alguns álbuns terem marcado tanto a minha vida. Hoje é diferente, podemos baixar a discografia toda do Michael Jackson em cinco minutos. E nunca ouvir!! (Pra quê ouvir, não? Basta ter no HD...) Bom, ainda bem que eu ouvi muito "Bad". É um bom álbum, ainda que não seja tão legal quanto "Thriller" (1982). E "Bad" foi lançado no dia 31 de agosto de 1987.



*****

Quando um artista lança um álbum histórico em um ano, já fica marcado. "Pô, ouviu o disco que o fulano lançou em 1968??" Agora, imagina o cara que lança dois álbuns históricos em um mesmo ano? Foi o caso de Neil Young. Em março de 1970, Neil Young, em companhia de Crosby, Stills e Nash, lançou "Déjà vu", e, cinco meses depois, mas precisamente no dia 31 de agosto de 1970, o canadense colocou nas lojas "After the gold rush", que contou, no acompanhamento, com a Crazy Horse, e com Stephen Stills novamente. Ah, quer conhecer o álbum? Ouça a música abaixo. E também "Only love can break your heart", "Southern man", "Till the morning comes", "Don't let it bring you down", "Birds"...



*****

Do clássico para o rock agora. Hoje também lembro que um grande guitarrista faz aniversário. Rudolf Schenker, que nasceu em Hildesheim (Alemanha), faz 62 anos. Para quem ainda não ligou o nome à pessoa, Rudolf é um dos fundadores do Scorpions. Tudo bem, a banda não é sombra do que já foi, mas temos que reconhecer que os solos de "Wind of change", "Still loving you", "Big city nights", entre outros, são bem bacanas, né?



*****

Opa! Bom dia, pessoal. Bom, vocês já viram, né? Hoje o dia começou com Van Morrison, que faz 65 anos. Já separei o "Astral weeks" (1968) aqui para ouvir mais tarde. Hehehe... Ah, parabéns também para os nutricionistas pelo dia de hoje. (Parabéns, mãe, você que fez com a Nutrição o mesmo que eu fiz com o Direito!) Voltando à música, agora vou falar de um dos gênios do violino: Itzhak Perlman, que nasceu em Israel, no dia 31 de agosto de 1945. Acho que devo ter aqui uns dez DVDs dele, e é impressionante a variedade de artistas interpretados por Perlman. Mendelssohn, Beethoven, e qualquer compositor russo se transformam em magia com o seu violino. Em tempo: você já viu algum violino falar??



*****

30 de ago de 2010

Robert Crumb, Dylan, Sterling Morrison, Agepê, Charles Bronson, Mauro, PVC, Pessoa, Cee-Lo, Arcade Fire, Jay-Z, Rita Lee, Axl, VW, Drums, Libertines

LIBERTINES: Como é bom ver esses doidos juntos novamente, né??



*****

Os americanos do The Drums estrearam um novo videoclipe. Segundo a banda, o vídeo de "Down by the water" é uma homenagem às girl groups dos anos 1950 e 60. Achei o clipe melhor do que a música.



*****

No último sábado, o Vampire Weekend se apresentou em Vancouver, e tocou "I'm going down", de Bruce Springsteen. Achei o vídeo abaixo, que tá meio tosco, mas tá valendo.



*****

#prontofaley: Manchete do NME de hoje: "Axl declara guerra aos organizadores dos festivais de Reading e Leeds". Ah, Axl, faz o seguinte: vem tocar aqui no Brasil. Aqui você pode atrasar o seu show três horas, os organizadores vão achar legal (porque vão vender mais cerveja) e o público trouxa vai te aplaudir. Ainda que você não tenha mais voz, e tenha perdido dez anos para gravar uma porcaria de disco.

*****

A quem interessar possa, o novo videoclipe da Rita Lee. Mas cadê uma (uminha!!) música inédita, tia?



*****

#medo: Kanye West vai lançar um álbum em parceria com Jay-Z. O álbum terá cinco faixas e se chamará "Watch the throne". AInda não há data de lançamento.



*****

Quando a gente pensa que não tem mais nada pra se inventar em termos de videoclipe, vem o Arcade Fire (quem mais poderia ser?) com uma proposta bem bacana. Clique aqui, (atenção: tem que abrir no Google Chrome), escolha o seu endereço e veja no que dá. O clipe é interativo. Vale a pena!

*****

Para quem ainda não ouviu uma das melhores músicas desse ano...



*****

UM MOMENTO POÉTICO:

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
um oásis no recôndito da sua alma .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."


(Fernando Pessoa)

*****

Continuando no futebol. Ou no jornalismo, sei lá. Hoje é aniversário do "google do futebol", Paulo Vinícius Coelho, ou PVC, comentarista da ESPN e colunista da Folha de S.Paulo. Ah, e eu gosto do PVC porque, além de ter um conhecimento enciclopédico do futebol, ele faz um jornalismo crítico, diferentemente do que acontece nas outras emissoras, que acham tudo o que acontece no mundo do futebol, bonito. Você imagina uma cena como essa abaixo acontecendo na Rede Globo? Por lá, eles só começaram a criticar a seleção quando o ex-técnico cortou os seus privilégios. Agora já voltaram a beijar os pezinhos do Ricardo Teixeira. E tudo ficou lindo de novo! E aproveito para recomendar aqui, mais uma vez, o livro "Os 100 melhores jogadores brasileiros de todos os tempos", de André Kfouri e do PVC.



Ah, e só pra responder pro animal do Felipe Melo: PVC é jornalista sim. E dos bons, hein!

*****

Haha... Um cara no twitter me disse que estou lotando um cemitério hoje... Então vou partir para o futebol para dizer quem nasceu nesse 30 de agosto. Tudo bem, ele também já morreu, mas, se vivo fosse, estaria fazendo 80 anos de idade. Estou falando de Mauro Ramos de Oliveira, capitão da seleção brasileira na Copa de 1962, no Chile. Além da seleção, o zagueirão Mauro também fez história no São Paulo e no Santos. Pena que não é tão lembrado hoje em dia. Pelo menos da forma que merecia. Aqui eu faço a minha parte.



*****

Isso aqui hoje tá um samba do afrodescendente doido mesmo... Começa com Crumb, vai pra Dylan, passa pelo Velvet Undergroud e termina no Agepê. Não, não terminou no Agepê, não. Porque agora eu quero falar um pouco de cinema. E vou lembrar aqui de Charles Bronson, companhia número um das noites de domingo, junto com o Steven Segal. Hoje faz sete anos que Bronson morreu, vítima de uma pneumonia. Olha, tem algumas coisas que acontecem na nossa vida e que guardamos com muito orgulho. E vou dizer uma aqui pra vocês: um dia, eu devia ter uns dez anos de idade, fui assistir a uma peça na Broadway, em Nova York. Não me lembro o nome da peça. Mas me lembro quem estava sentado ao meu lado: Charles Bronson. Pronto. Morram de inveja.



*****


(Antônio Gilson Porfírio, ou Agepê - 10/08/42 / 30/08/95)

*****

Eu também quero lembrar de um cara que morreu fraz exatos 15 anos hoje. Sterling Morrison foi um dos fundadores do Velvet Underground. E tudo o que diz respeito ao Velvet Underground eu vou citar aqui no blog, sempre que possível. Por um simples motivo: o álbum "Velvet Underground and Nico" influenciou tudo de bom que surgiu no rock logo depois. Como disse o produtor Brian Eno, poucos compraram o disco, mas quem o fez, formou uma banda. Decerto, Talking Heads, Television, Iggy Pop, David Bowie, Depeche Mode, Joy Division, Sonic Youth, Nirvana, Nine Inch Nails e vários outros compraram o disco que tinha a reluzente banana em sua capa. E o mais importante: Sterling Morrison tocou guitarra nesse álbum. Daí a lembrança!



*****

Bom, por aqui, o dia começou com o gênio Robert Crumb (abaixo), que completou bem vividos 67 anos. E agora vou falar de outro gênio. Hoje faz 45 anos que Bob Dylan colocava nas lojas o hipermegaultra álbum "Highway 61 revisited", o seu sexto trabalho de estúdio. Obviamente, a melhor forma de conhecer a obra-prima é colocá-la no CD-player (ou no toca-discos, o que ainda é mais gostoso), mas o livro "Like a rolling stone", de Greil Marcus, ainda que um pouco gorduroso, também pode ser uma ótima pedida para sentir o clima das gravações. E para quem ainda não sabe, segue aí o repertório do álbum: "Like a rolling stone", "Tombstone blues", "It takes a lot to laugh, it takes a train to cry", "From a Buick 6", "Ballad of a thin man", "Queen Jane approximately", "Highway 61 revisited", "Just like Tom Thumb's blues" e "Desolation row". E aí? "How does it feeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeell"??



*****

29 de ago de 2010

Resenhando: Wilson Simonal, Iron Maiden, Martinho da Vila, Brian Wilson, Yoko Ono

“Mexico ‘70” – Wilson Simonal
Quando o sensacional box “Wilson Simonal na Odeon” chegou às lojas, em 2004, um fã do cantor enviou um e-mail para Max de Castro perguntando sobre a ausência do álbum “Mexico ‘70” na caixa. Na ocasião, Max nem sabia da existência do disco. Alguns meses depois, ele descobriu a capa do álbum em uma revista especializada, e foi correr atrás dos fonogramas. “Mexico ‘70”, na verdade, foi gravado entre janeiro e março de 1970, em sessões esparsas. Quando a seleção brasileira de futebol estava no México para disputar a Copa de 70, Wilson Simonal (então o artista mais popular do país) foi se encontrar com os seus amigos jogadores e fez uma temporada de shows que durou três meses naquele país. Na ocasião, aqui no Brasil saiu o compacto duplo com “Aqui é o país do futebol”, e a Odeon mexicana lançou “Mexico ‘70”, logo após a Copa do Mundo vencida pelo Brasil. E, 40 anos depois, logo após o fiasco da seleção do Dunga, “Mexico ‘70” é lançado pela primeira vez no Brasil. No repertório de 12 faixas, é possível ver como Simonal queria porque queria entrar no mercado internacional, com faixas cantadas em italiano (“Ecco Il tipo che io cercavo”) e inglês (na linda versão de “Raindrops keep fallin’ on my head”, “I’ll never fall in love again” e a dobradinha “Aquarius” / Let the sunshine in”, do musical “Hair”). “Aqui é o país do futebol” também está presente em “Mexico ‘70”, assim como boas gravações (inéditas) de “Ave Maria no morro” e “Eu sonhei que tu estavas tão lindas”. No total, são cinco gravações raras e sete inéditas. Uma peça obrigatória nesse intricado quebra-cabeça chamado Wilson Simonal.

*****

“The final frontier” – Iron Maiden
Que o Iron Maiden vem usando e abusando de faixas longuíssimas, desde o advento do CD, isso não é novidade para ninguém. O seu último CD, “A matter of life and death” (2006), contém 10 faixas em 72 minutos. O novo álbum, “The final frontier”, é bem parecido. São dez faixas em 76 minutos. Mas a grande diferença está em sua sonoridade. Que fique claro, de cara, que ela não está nem pior nem melhor. Mas, sim, bem diferente. O fã que pensou que a turnê “Somewhere back in time” (na qual a Donzela revisitou os seus clássicos) animaria a banda a gravar músicas diretas com caras de hit, se enganou. “The final frontier” é, de longe, o álbum mais difícil do Iron Maiden. A batida tribal-eletrônica de quase três minutos da faixa de abertura “Satellite 15... The final frontier” é um bom indício de que as coisas estão diferentes. Muita gente, inclusive, vem comparando “The final frontier” com “Somewhere in time” (1986). Mas, tirando a estética futurista da capa, não tem nada que ver. Não há nenhuma “Wasted years” em “The final frontier”. Mas há faixas que beiram o progressivo, como “Isle of Avalon”, e o épico, como acontece em “The talisman” e “When the wild wind blows”. O Iron Maiden fica com mais cara de Iron Maiden em poucas faixas, como na direta e rápida “El Dorado” e em “Mother of mercy”, canção que lembra bastante “Ghost of the navigator”, de “Brave new world” (2000). Certamente até a própria banda achou o novo álbum tão difícil, que optou que os shows da nova turnê começassem com uma música de outro álbum – no caso, “The wicker man”, de “Brave new world”. O que é bem raro em se tratando de Iron Maiden, diga-se de passagem.

*****

“Filosofia de vida” – Martinho da Vila
Para turbinar o lançamento do documentário “Filosofia de vida” (já nas lojas em DVD), de Edu Mansur, Martinho da Vila colocou nas lojas a trilha sonora do filme. Com o mesmo nome do documentário, o CD é, mais ou menos, um best of da carreira do sambista, com oitos sucessos e músicas obscuras regravadas e as outras seis faixas pescadas de álbuns antigos. Com relação às regravações, destacam-se a faixa-título (parceria com Marcelinho Moreira e Fred Camacho), uma das mais lindas de Martinho (“Meu destino eu moldei / Qualquer um pode moldar / Deixo o mundo me rumar / Para onde quero ir / Dor passada não me dói / E nem curto nostalgia / Eu só quero o que preciso / Pra viver meu dia-a-dia”), o clássico “O pequeno burguês” e “Meu Off Rio”. Nas regravações, versões ao vivo de “Madalena do Jucu” e do maior samba-enredo de todos os tempos, “Aquarela brasileira”, de Silas de Oliveira. Vale destacar ainda a versão instrumental do choro “Um a zero”, de Pixinguinha e Benedito Lacerda, com a pianista Maíra Freitas, e a segunda gravação (e que fecha o álbum) de “Filosofia de vida”, nas vozes de Martinho da Vila e de Ana Carolina. Em suma, “Filosofia de vida” funciona como um bom souvenir do documentário. Os fãs vão gostar. Mas para o ouvinte mais eventual de Martinho da Vila, talvez seja mais jogo procurar um outro CD do sambista, como o ao vivo “3.0 Turbinado” (1999) ou o ótimo tributo a Noel Rosa, “Poeta da cidade”, lançado no início desse ano.

*****

“Reimagines Gershwin” – Brian Wilson
O que Brian Wilson e os irmãos George e Ira Gershwin têm em comum? A genialidade, diriam alguns. Mas agora, há mais outra coisa em comum: o álbum “Reimagines Gershwin”, que o ex-Beach Boy colocou nas lojas no início desse mês. No total, são 14 faixas de autoria dos Gershwin e que Brian Wilson regravou ao seu estilo. Dessas 14 faixas, duas são parcerias mesmo entre George Gershwin e Brian Wilson, eis que não estavam finalizadas, cabendo a Wilson dar os retoques finais. O resultado oscila durante a audição. Comecemos pelas duas parcerias (“The like in I love you” e “Nothing but love”), que configuram dois grandes momentos, que poderiam estar em qualquer álbum clássico dos Beach Boys, com os seus lindos arranjos vocais e melodias naquele velho estilo que fez a fama da banda. Já as quatro faixas pescadas da ópera “Porgy and Bess” (“Summertime”, “I loves you Porgy”, “I got plenty O’ nutin’” e “It ain’t necessarily so”) são as mais fracas de “Reimagines Gershwin”. Talvez pelo fato de o tom formal da ópera não ter combinado muito com o estilo pop de Wilson. As coisas voltam a entrar nos eixos na bossa “’S Wonderful” (será que Brian Wilson anda ouvindo muito o “Amoroso”, de João Gilberto?) e em “They can’t take that away from me” e “I got rhythm”, que trazem o melhor resumo do que seria uma música dos irmãos Gershwin interpretada pelos Beach Boys. Simplesmente fantástico. “Love is here to stay”, “I’ve got a crush on you” e “Someone to watch over me”, por sua vez, poderiam ter ficado mais interessantes. Mas no final das contas, o saldo é (bem) positivo.

*****

“Mrs. Lennon” – Vários Artistas
Odiada por muitos e amada por poucos, Yoko Ono ficou mais conhecida como “a pessoa que separou os Beatles”. Ela pode até ter tido a sua responsabilidade pelo fato. Mas a verdade é que dificilmente o quarteto de Liverpool prosseguiria junto por muito tempo com a morte de Brian Epstein. Ademais, John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr não eram mais apenas “os caras do bar”, e os seus egos já estavam do tamanho do céu. Enfim, uma boa forma de redimir Yoko Ono é ouvir o CD “Mrs. Lennon”, que o selo Discobertas, de Marcelo Fróes, colocou nas lojas. São 16 faixas escritas por Yoko e interpretadas por 16 cantoras brasileiras, da experiente Cida Moreira a novata Hevelyn Costa, passando por Zélia Duncan, Silvia Machete, Kátia B, Angela Ro Ro, entre outras. Como geralmente acontece nesse tipo de projeto, há muitos altos e baixos. Mas, felizmente, os altos superam os baixos. Pra começar, vale destacar a comovente interpretação voz & piano de Cida Moreira para “Mrs. Lennon”. Zélia Duncan enche “Goodbye sadness” de delicadeza, enquanto Marília Barbosa & Pelv’s fazem os alto-falantes berrar em “Move on fast”. Angela Ro Ro deu novas (e boas) luzes a “It happened”, e Kátia B encheu “Walking on thin ice” de bossa. Por sua vez, Voz Del Fuego deixou “Kiss kiss kiss” quase ininteligível com os seus sintetizadores e baterias programadas. A dupla Tetine também pecou com a versão modernosa demais de “Why”. Mas, no fim das contas, “Mrs. Lennon” é uma boa introdução à obra da nem sempre compreendida Yoko Ono.

*****

Abaixo, a faixa de abertura do álbum “The final frontier”, do Iron Maiden.

28 de ago de 2010

Robbie Williams, Oasis, Ingrid Bergman, Charlie Parker, Edu Lobo, Beatles, Zico, Axl, Gilberto Gil, Big Four, Interpol, Ozzy Osbourne

O LIVRO DA SEMANA: Bom, essa semana eu encontrei um tempo para ler "Eu sou Ozzy", autobiografia de Ozzy Osbourne. Vou dizer que fiquei bem surpreso. Pensava que fosse um livro meia-bomba, sem muito nexo, mas, na verdade, até que Ozzy se lembrou de muita coisa interessante. Assim, ele detalha os bastidores de cada álbum e de cada turnê do Black Sabbath e de sua carreira solo. Lógico que também há bastante espaço para as loucuras desse inglês de Birmingham. Quer saber com detalhes como foi o episódio da mordida no morcego? Tá tudo no livro. Mas, atenção: o estômago deve ser forte pra encara essa história e outras, como o emprego pré-fama de Ozzy, em um abatedouro de bois, ou então o episódio em que arrancou a cabeça de uma singela pombinha, no meio de uma reunião, para impressionar os executivos de sua gravadora. Ozzy fala também sobre o caso do suicídio de um adolescente que escutava a sua música enquanto estourou os miolos. A morte estúpida e surreal do amigo e guitarrista Randy Rhoads é lembrada no capítulo mais comovente da autobiografia. O Rock in Rio ganhou pouco destaque. E, pelo jeito, as lembranças de Ozzy do festival não são tão boas: "Tinha esperado ver a Garota de Ipanema em cada esquina, mas não vi nenhuma. Havia só um monte de crianças pobres correndo pelo lugar como ratos. As pessoas eram ou absurdamente ricas ou viviam nas ruas - parecia não haver nada no meio", escreveu. O livro é recheado de histórias hilárias (o encontro com Brian Wilson, por exemplo), mas Ozzy também não deixou de lado os problemas com álcool, drogas, polícia... Em alguns momentos, Ozzy parece estar na frente de seu psicanalista, principalmente quando se diz arrependido de algumas besteiras feitas no passado. Enfim, "Eu sou Ozzy" é obrigatório para quem se interessa pela figura. Mas também pode ser muito bem-vindo para quem queira apenas ler uma história bem, digamos... (existe alguma palavra que seja mais do que "surreal"??).

*****

Mais um vídeoclipe bem legal estreou por esses dias. É o novo do Interpol, "Barricade". Com o vídeo, a música ficou ainda mais interessante...



*****

Eu já tinha falado, algumas semanas atrás, sobre o lançamento do DVD/BD "Big Four", projeto que juntou Metallica, Megadeth, Anthrax e Slayer. Hoje temos algumas novidades. Em primeiro lugar, a capa, que está logo aí acima. O legal é que o DVD duplo (ou BD simples) trará os quatro shows na íntegra. Os repertórios podem ser lidos aqui. Haverá também uma edição especial com o DVD duplo, mais cinco CDs (com o áudio de todos os quatro shows), poster, palhetas, fotos e outras frescuras mais.

*****

"FÉ NA FESTA": Já que falei em Gilberto Gil, uma boa notícia para os seus fãs. "Fé na festa" vai ser gravado para DVD no mês que vem. A gravação acontecerá no Rio de Janeiro, em uma vila no Jardim Botânico.

*****

UMA MÚSICA PRO FINAL DE SEMANA: "2001", de Rita Lee e Tom Zé, com Gilberto Gil. Repare na guitarra de Lanny Gordin. Monstro!



*****

Olha só a diferença entre um país sério e o Brasil... Quando a banda do Axl Rose tocou por aqui no primeiro semestre, atrasou umas três horas em cada show. Um bando de mané achou maneiraça a atitude rockstar dele. Pois bem, ontem, no festival de Reading, na Inglaterra, Axl atrasou uma hora. Como existe um acordo entre os organizadores e a prefeitura para o show terminar em uma determinada hora, o som foi cortado do palco. E a banda saiu vaiada. Duvido que, no ano que vem, Axl seja convidado para se apresentar em algum festival europeu. Enquanto isso, por aqui, já estão cogitando no nome do Guns n' Roses para o Rock in Rio 2011...

*****

Vou finalizar as efemérides desse fim de semana falando de futebol. Na verdade, vou falar sobre um dos maiores crimes da história do futebol. Amanhã vai fazer 25 anos que um animal chamado Márcio Nunes arrebentou o joelho esquerdo do Zico. O crime aconteceu numa partida entre Flamengo e Bangu, pelo Campeonato Carioca de 85, e terminou zero a zero. Com a entrada, Zico rompeu os ligamentos do joelho, e teve que se submeter a diversas cirurgias. Ele nunca mais foi o mesmo. Mas ainda deu o Brasileirão de 1987 para o Flamengo. E, graças a Deus, pude ainda gritar muito o seu nome nas arquibancadas do Maracanã.



*****

Amanhã também é um dia importante para os beatlemaníacos. Foi no dia 29 de agosto de 1966 que os Beatles se apresentaram pela última vez na frente de um público - excluo aqui o show no telhado da Apple, em 1969, porque aquilo não foi lá um show, digamos, convencional. Tive muita dificuldade em encontrar imagens do show de 29/08/66, que aconteceu no Candlestick Park, em San Francisco. Acho que existe isso em vídeo, mas a gravação não é legal. De qualquer forma, o repertório eu consegui recuperar. E foi esse aqui: "Rock and roll music", "She's a woman", "If I needed someone", "Day tripper", "Baby's in black", "I feel fine", "Yesterday", "I wanna be your man", "Nowhere man", "Paperback writer" e "Long tall Sally".



*****

De um monstro sagrado do jazz para um monstro sagrado da MPB. Amanhã, o grande Edu Lobo sopra 67 velinhas. Quando penso em Edu Lobo, a primeira coisa que me vem a cabeça é "Ponteio", uma das músicas mais geniais ever. Acompanhado pelo Quarteto Novo, Momento Quatro e Marília Medalha, Edu Lobo apresentou "Ponteio" no III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, e foi o grande campeão. Não era para menos, com a sua letra vibrante, e a melodia que passa pelo baião e pelo rock (sim, aquele solo de viola do Heraldo do Monte é puro rock n' roll), "Ponteio" deixou para trás "Domingo no parque" (de Gilberto Gil) e "Alegria alegria" (Caetano Veloso). O mais curioso é que as três canções seguem moderníssimas até hoje. Coisa de gênio mesmo.



*****

Amanhã também é dia de comemorar o aniversário de outro gênio. Charlie Parker nasceu no dia 29 de agosto de 1920. Um dos maiores saxofonistas da história do jazz, o Bird gravou alguns álbuns que não podem faltar numa boa discoteca do gênero. Ele também compôs preciosidades que são gravadas e regravadas volta e meia por aí, como "Ornithology", "Billie's bounce", "Anthropology" e "Moose the mooche". E se você quiser ouvir um álbum muito bom (mas muito bom mesmo) hoje, recomendo "The Cole Porter songbook" no sax de Charlie Parker. É sublime.



*****

Vamos passar agora para o dia 29 de agosto? Bora... Vou dar um pulinho no cinema agora, ok? Quero lembrar aqui de uma grande atriz bem marcada por esse dia. Ingrid Bergman nasceu a 29 de agosto de 1915, e morreu a 29 de agosto de 1982. Curioso, não? No dia em que completava 67 anos, a atriz sueca passou dessa pra melhor, vítima de um câncer de mama. E o melhor jeito de lembrá-la é com uma cena que, talvez, seja a mais importante da história do cinema. Aqui!

*****

Quer uma prova de que o tempo anda passando rápido demais? Então segura essa: hoje faz um ano (um ano!!) que o Noel Gallagher anunciou o fim do Oasis. Na época, eu até pensei que ele poderia mudar de ideia. Mas, pelo jeito, acho que o Oasis não volta nos próximos dez anos - a não ser que a Argentina ganhe alguma Copa antes disso, e o Messi convença os irmãos briguentos. Aí abaixo, uma boa recordação da última passagem do Oasis por essas terras.



*****

Vou começar o sabadão falando do Robbie Williams. Ele disse outro dia que estaria voltando ao Take That. Achei uma pena. Take That é uma boyband chata pra caramba, com aquelas musiquinhas melosas. Já Robbie Williams, em sua carreira solo, compôs algumas pérolas do pop nos últimos dez anos. Tipo um George Michael. No Wham!, era uma porcaria. Na carreira solo, arrebentou. Mas, voltando ao RW, hoje faz dez anos que ele lançou o seu principal álbum (minha opinião, tá?), "Sing when you're winning". Algumas das suas músicas mais bacanas: "Better man", "Rock DJ", "Kids"...



*****

Bom dia, pessoal. Sabadão chegou, hein? Sim, antes que me perguntem, eu caí da cama. Estava acordado desde às sete. Cansei de ficar rolando na cama e vim pra cá escrever um pouco. Ah, antes que eu me esqueça, parabéns aos bancários pelo dia de hoje. E também tem mais um bando de coisa que a gente tem que lembrar. Vou começar logo, tá?

27 de ago de 2010

Lupicínio, Sylvia Telles, Alex Lifeson, Stevie Ray Vaughan, Neil Young+Pearl Jam, Planeta Terra, LCD Soundsystem, Ozzy, Bon Jovi, STP, Diana Krall

A cantora Diana Krall marcou uma temporada de shows no Brasil para o mês que vem. Ela se apresenta em São Paulo (HSBC Brasil, nos dias 13 e 14), Brasília (Teatro Oi Brasília, dia 18) e Rio de Janeiro (Teatro Oi Casa Grande, no dia 20). Os ingressos para as duas apresentações em São Paulo já estão à venda no site www.ingressorapido.com.br, e custam entre 70 e 400 reais, com direito a meia-entrada. Ainda não há informações com relação à venda de ingressos no Rio e no DF.

*****

Essa moda de cair do palco tá pegando. Ontem foi a vez de Scott Weiland, do Stone Temple Pilots... Aliás, era playback ou não??



*****

O Bon Jovi lançará no dia 08 de novembro a coletânea "Greatest hits" em duas edições, uma simples, e outra, dupla. Além de sucessos como "Livin' on a prayer", "Always", "It's my life", "Wanted dead or alive" e "Keep the faith", haverá mais quatro faixas inéditas (na edição dupla, na simples serão apenas duas). Os nomes das quatro músicas novas são "The more things change", "No apologies", "This is love, this is life" e o primeiro single "What do you got?" (capa acima), que estreou hoje no site da banda.



*****

Que Zakk Wylde que nada... Hehehe...



*****


"Talvez a gente até grave um novo álbum. Só quero sair desse esquema de gravação profissional de discos. Em termos profissionais, não quero contar com nada além das turnês." (James Murphy, vocalista do LCD Soundsystem, dizendo ao site Quietus que a sua banda pode vir a gravar um novo álbum)

*****

O festival Planeta Terra, que acontece no dia 20 de novembro, em São Paulo, fechou o seu line-up com quatro atrações nacionais. São elas: Holger, Hurtmold, Novos Paulistas e Mombojó. Já estavam confirmados anteriormente atrações como Smashing Pumpkins, Pavement, Mika, Hot Chip, Phoenix, Of Montreal, entre outras. Segundo a produção, os ingressos estão acabando, e o quarto lote já está à venda, no site www.ticketsforfun.com.br, por R$ 220,00 (inteira) e R$ 110,00 (meia).

*****

E vamos continuar no clima de rock n' roll então... Hoje começa o festival de Reading, na Inglaterra. Mas eu quero lembrar aqui da edição de 1995. Por que? Ora, porque 15 anos atrás, Neil Young se juntou ao Pearl Jam para fazer uma apresentação antológica nesse festival. O repertório foi curto, mas sente o poder: "Big green country", "Song X", "Act of love", "Downtown", "Mr. Soul", "Scenery", "The needle and the damage done", "Hey hey my my", "After the goldrush", "Throw your hatred down", "Cortez the killer" e "Rockin' in the free world". A única coisa que achei desse show no YouTube foi esse vídeo abaixo. Não está muito bom, mas dá pra sentir o clima...



*****

Olha, eu não sei se a minha gripe vai deixar, mas o meu plano para hoje à noite é beber algumas ao som de Stevie Ray Vaughan. Hoje faz 20 anos que esse guitarrista sensacional foi mostrar o seu blues lá no céu. Ele morreu em um acidente de helicóptero em Wisconsin, após uma apresentação no Alpine Valley Music Theater, ao lado de Robert Cray, Buddy Guy, Eric Clapton e Jimmie Vaughan. Eu poderia escrever aqui um bando de coisa sobre o SRV... Que o seu álbum "Couln't tand the weather" (1984) é fantástico, que "Pride and joy" é uma das melhores canções já escritas, que SRV era um deus inca no palco... Mas eu prefiro resumir Stevie Ray Vaughan da seguinte maneira: ele foi o único artista que gravou uma música de Jimi Hendrix, e conseguiu... superar Jimi Hendrix. A música é essa aqui...



*****

Hoje também é dia de homenagear um guitarrista que eu gosto muito. Alex Lifeson, do Rush, completa 57 anos nesse 27 de agosto. E vou te dizer: assisti ao show do Rush mês passado em Nova Jersey e é impressionante o quanto o cara manda bem ao vivo. Ele me passa a impressão de ser uma espécie de balança da banda... O cara que, tipo, deixa o clima bom. E, depois de ver o documentário "Beyond the lighted stage", a gente chega à conclusão da importância de uma figura como essa para levar uma banda adiante, com mais de 35 anos de carreira. Em outubro estarei lá na Apoteose.



*****

Ah, agora eu vou falar de uma cantora que eu adoro. Sylvia Telles nasceu a 27 de agosto de 1934, e, na minha opinião, foi a melhor intérprete feminina da obra de Antonio Carlos Jobim. O seu álbum "Amor de gente moça" (1959) é a maior prova. Mas ela também gravou outros grandes discos, como o essencial "Amor em hi-fi" (1960), "Bossa, balanço, balada" (63) e "Bossa session" (64), esse último ao lado de Lúcio Alves e de Roberto Menescal. Sylvinha morreu aos 32 anos, vítima de um trágico acidente de automóvel em Maricá.



*****


(Lupicínio Rodrigues - 16/09/14 / 27/08/74)

26 de ago de 2010

Seal, Dori Caymmi, Branford Marsalis, The Cure, Macaulay, QOTSA, Robbie Williams, Eric Clapton, U2, Bruce Springsteen, Linkin Park

Estreou hoje o videoclipe de "The Catalyst", nova música do Linkin Park, que já saiu como single no início desse mês, e estará presente no álbum "A thousand suns", que chega às lojas no dia 14 de setembro. Achei o vídeo (dirigido por Joseph Hahn) mais legal do que a música.



*****

Ontem mesmo, escrevendo aqui sobre os 35 anos de "Born to run", disse que o meu álbum predileto do Bruce Springsteen era "Darkness on the edge of town". Pois bem, foi confirmado hoje que o box "The promise: The darkness on the edge of town story" (capa acima) sai no dia 16 de novembro. O pacote terá três CDs e mais três DVDs, com o álbum original remasterizado, mais 21 faixas inéditas, um documentário sobre a gravação do álbum dirigido por Thom Zimny, e um show inédito, filmado na época do lançamento do álbum, em Houston. Uma edição econômica, com dois CDs somente com as 21 faixas inéditas das sessões de gravação também será disponibilizada. A relação de faixas é a seguinte:

CD 1: REMASTERED ‘DARKNESS ON THE EDGE OF TOWN’
1. Badlands
2. Adam Raised a Cain
3. Something In The Night
4. Candy’s Room
5. Racing In The Street
6. The Promised Land
7. Factory
8. Streets Of Fire
9. Prove It All Night
10. Darkness On The Edge Of Town

CD 2: THE PROMISE (DISC 1)
1. Racing In The Street (‘78)
2. Gotta Get That Feeling
3. Outside Looking In
4. Someday (We’ll Be Together)
5. One Way Street
6. Because The Night
7. Wrong Side Of The Street
8. The Brokenhearted
9. Rendezvous
10. Candy’s Boy

CD 3: THE PROMISE (DISC 2)
1. Save My Love
2. Ain’t Good Enough For You
3. Fire
4. Spanish Eyes
5. It’s A Shame
6. Come On (Let’s Go Tonight)
7. Talk To Me
8. The Little Things (My Baby Does)
9. Breakaway
10. The Promise
11. City Of Night

DVD 1: “THE PROMISE: THE MAKING OF ‘DARKNESS ON THE EDGE OF TOWN’”

DVD 2: DARKNESS ON THE EDGE OF TOWN (PARAMOUNT THEATER, ASBURY PARK, NJ, 2009) 1. Badlands 2. Adam Raised A Cain 3. Something In The Night 4. Candy’s Room 5. Racing In The Street 6. The Promised Land 7. Factory 8. Streets Of Fire 9. Prove It All Night 10. Darkness On The Edge Of Town

THRILL HILL VAULT (1976-1978)
1. Save My Love (Holmdel, NJ 76)
2. Candy’s Boy (Holmdel, NJ 76)
3. Something In The Night (Red Bank, NJ 76) 4. Don’t Look Back (NYC 78) 5. Ain’t Good Enough For You (NYC 78) 6. The Promise (NYC 78) 7. Candy’s Room Demo (NYC 78) 8. Badlands (Phoenix 78) 9. The Promised Land (Phoenix 78) 10. Prove It All Night (Phoenix 78) 11. Born To Run (Phoenix 78) 12. Rosalita (Come Out Tonight) (Phoenix 78)

DVD 3: HOUSTON ‘78 BOOTLEG: HOUSE CUT
1. Badlands
2. Streets Of Fire
3. It’s Hard To Be A Saint In The City
4. Darkness On The Edge Of Town
5. Spirit In The Night
6. Independence Day
7. The Promised Land
8. Prove It All Night
9. Racing In The Street
10. Thunder Road
11. Jungleland
12. The Ties That Bind
13. Santa Claus Is Coming To Town
14. The Fever
15. Fire
16. Candy’s Room
17. Because The Night
18. Point Blank
19. She’s The One
20. Backstreets
21. Rosalita (Come Out Tonight)
22. Born To Run
23. Detroit Medley
24. Tenth Avenue Freeze-Out
25. You Can’t Sit Down
26. Quarter To Three

*****

Só quero ver o que o Bono vai falar disso.

*****

Uma entrevista com Eric Clapton sobre o seu novo álbum. No site da Mojo. Em inglês.

*****

Robbie Williams disponibilizou hoje o videoclipe de seu novo single. "Shame" fará parte da coletânea "In and out of consciousness: The greatest hits 1990 - 2010", que Williams vai lançar no dia 11 de outubro. A gravação conta com a participação especial de Gary Barlow, do Take That. A música eu achei fraca (está mais para Take That do que para Robbie Williams), mas o clipe, que parodia o filme "O segredo de Brokeback Mountain", é bem legal.



*****

Todo mundo já sabia, mas os organizadores do SWU estavam fazendo doce, sabe-se lá o porquê. Foi oficialmente divulgado que o Queens Of The Stone Age vai tocar na noite de encerramento do evento, no dia 11 de outubro, ao lado de Linkin Park, Cavalera Conspiracy e Pixies.

*****

Para fechar os aniversários de hoje, vamos partir para o cinema. Aliás, o nosso homenageado até que chegou a participar de um videoclipe do Michael Jackson também. Acredite se quiser, mas Macaulay Culkin, o pirralhinho lá do "Esqueceram de mim", faz 30 anos hoje. O moleque, quando surgiu, prometia. Mas acabou se envolvendo em algumas besteiras por aí, e eu nem sei o que esse doido anda fazendo hoje em dia. Mas que o "Esqueceram de mim" era divertido, ah, isso era...



*****
Eu já disse abaixo que estou ficando velho. Eu me lembro do dia em que fui ver "Batman Forever", quando ele estreou nos cinemas, em 1995. E pior: eu me lembro do dia em que comprei "The head on the door", álbum que o The Cure lançou em 1985. Aliás, para ser mais exato, no dia 26 de agosto de 1985. Comprei poucos dias após o lançamento, em alguma Gabriela da vida. Ouvi até gastar. E tive que comprar o CD. Em 2006, saiu uma versão dupla fantástica, com o álbum original remasterizado e mais um bando de demos e versões ao vivo. A relação original de faixas de "The head on the door" é a seguinte: "Inbetween days", "Kyoto song", "The blood", "Six different ways", "Push", "The baby screams", "Close to me", "A night like this", "Screw" e "Sinking". Difícil dizer qual é a minha predileta. Acho que fico com "Kyoto song". Mas a que fez mais sucesso foi essa aqui...



*****

Eu adoro quando escrevo sobre jazz aqui. E hoje tenho um ótimo motivo para fazê-lo. O saxofonista Branford Marsalis, irmão de Wynton Marsalis, faz 50 anos. Nascido na Louisiana, já lançou 25 álbuns, dentre os quais eu destaco "Random Abstract" (1988), "Contemporary Jazz" (que ganhou um Grammy em 2000) e "A Love Supreme Live", pacote de CD/DVD que saiu em 2004, e traz Branford e seu quarteto interpretando a obra maior de John Coltrane com precisão cirúrgica. Olha um aperitivo...



*****

Pelo jeito, um assunto vai puxar o outro hoje mesmo... E, ao que tudo indica, esse mar lindo de hoje (da foto abaixo) é em homenagem a alguém. E eu já descobri quem é esse alguém: Dori Caymmi, filho de Dorival, o que melhor conseguiu traduzir o mar em poesia e música (apesar de nunca ter aprendido a nadar). Dori faz 67 anos hoje em grande forma, com o lançamento de mais um excelente álbum, "Mundo de dentro", poucos meses atrás. Mas como hoje tudo diz respeito ao mar, acho que essa música abaixo seria mais apropriada...



*****

Faz muito tempo que não via o mar tão bonito... Será que um mergulho ia me fazer bem??

*****

Ah, por que o vídeo abaixo, hein? Olha só que loucura... Já disse que tô todo ferrado aqui de gripe, febre, hoje acordei sem voz, parará parará... Não sei porque, mas o remédio que estou tomando me faz sonhar a noite toda. E tive dois sonhos bem loucos essa noite. Um era que eu estava em um show do Cazuza. Dessa vez, ele não estava com o Lobão. Era Cazuza sozinho no palco do Canecão. Ele cantou uma música que eu nunca tinha ouvido antes. Acordei para anotar os versos, mas estava muito chapado de paracetamol. O outro sonho era que o Batman estava invadindo a minha casa. Bom, até aí, nada demais. Mas, quando eu acordei, me deu vontade de ouvir "Kiss from a rose", que o Seal fez para o "Batman Forever". E o que mais me chamou a atenção foi que, exatamente no dia 26 de agosto de 1995, essa música chegava ao primeiro posto da parada de singles da Billboard. E parece que foi ontem que fui ver esse filme no cinema. Estou ficando velho...

*****

25 de ago de 2010

Sean Connery, Fernanda Takai, Bruce Springsteen, Plant e Page, Prêmio Multishow, Libertines, Simone, Beatles

A revista Rolling Stone americana está lançando uma edição com textos especiais sobre as 100 melhores músicas dos Beatles. E sabe qual ficou em primeiro lugar?



*****

A Biscoito Fino coloca nas lojas nos próximos dias o DVD e CD duplo "Em boa companhia" (capa acima), com o registro da última turnê da cantora Simone. Filmado no Teatro Guararapes, no Recife, o show conta com a direção de José Possi Neto. No repertório, canções antigas do repertório de Simone ("Tô que tô", "Face a face", "Ex-amor"), além de faixas de seu último álbum de estúdio, "Na veia" ("Hóstia", "Ame", "Migalhas"). O CD duplo traz todas as faixas do DVD, que são as seguintes: "Tô que tô", "Love", "Certas noites", "Face a face", "Lá vem a baiana", "Bem pra você", "Fullgás", "Hóstia", "Ive Brussel", "Definição da moça", "Geraldinos e arquibaldos", "Certas coisas", "Ame", "Vale à pena tentar", "Deixa eu te amar", "Paixão", "Migalhas", "Pagando pra ver", "Perigosa", "Ai ai ai", "Na minha veia", "Chuva suor e cerveja", "Nada por mim" e "Ex-amor".

*****

Foi ontem a volta aguardadíssima do Libertines, separado desde 2004. A apresentação aconteceu na HMV, em Londres, e contou com um repertório generoso. Olha aí: "Horrorshow", "The delaney", "Vertigo", "Last post on the bugle", "Begging", "The ha ha wall", "Lust of the Libertines", "Campaign of hate", "Boys in the band", "Tell the king", "Death on the stairs", "Music when the lights go out", "What Katie did", "The saga", "Can’t stand me now", "What became of the likely lads", "Don't look back into the sun", "The good old days", "Time for heroes", "Radio America", "Up the bracket", "What a waster" e "I get along".



*****

Sabe aquela história do astronauta acordar em uma missão espacial ouvindo alguma música escolhida pela NASA? Pois é, a própria NASA, dessa vez, está pedindo para que o público escolha a tal música para a missão STS-133. Tem Rush, U2, Metallica, Dire Straits, Frank Sinatra, Steve Winwood... E você pode votar aqui.

*****

As pessoas estão me pedindo no twitter para eu escrever sobre o Prêmio Multishow. Só tenho duas considerações a fazer: 90% dos artistas que ganharam prêmio são lixo; e foi ridículo o Multishow tentar copiar o estilinho do VMB da MTV. Sem mais.

*****

Para finalizar os aniversários de hoje, quero falar de um outro álbum que eu adoro: "Unledded", que marcou a reunião de Robert Plant com Jimmy Page. A apresentação foi filmada pela MTV no dia 25 de agosto de 1994. Era um "Acústico" meio doido, que também teve cenas gravadas em Marrocos. As novas versões para "Thank you", "Since I've been loving you", "That's the way", "Gallows Pole" e "Kashmir" ficaram animais. E o melhor de tudo é que esse álbum gerou uma turnê que passou por aqui em algum Hollywood Rock. O tipo de show que tenho orgulho de dizer: "Eu fui!"



*****

E sabe qual disco chegava às lojas no dia 25 de agosto de 1975? Pois é, esse aí logo acima: "Born to run", do Bruce Springsteen. Eu não sei se o álbum "Born to run" é o que eu mais gosto dele (acho que fico com o seguinte, "Darkness on the edge of town", de 1978, ou "The rising", de 2002), mas a música "Born to run", certamente é a minha preferida de seu repertório. E olha só a relação de faixas de "Born to run": "Thunder road", "Tenth avenue freeze-out", "Night", "Backstreets", "Born to run", "She's the one", "Meeting across the river" e "Jungleland". A quantidade de clássicos impressiona, não?



*****

Ah, e quem sopra 39 velinhas hoje é a fofurinha Fernanda Takai. No Pato Fu ou na carreira solo, eu sou fã dela sempre. Tem gente que diz que a voz dela é chatinha. Eu acho é muito charmosa. E o que mais gosto nela é a forma como conduz a sua carreira. Vou aos shows do Pato Fu desde o lançamento do primeiro disco da banda. E sei como o sucesso de hoje foi merecido. Tudo com muito esforço, e muita qualidade também. O Pato Fu já tem 20 anos de carreira. E poucas bandas depois dela conseguiram trilhar um caminho tão bacana assim.



*****

Boa tarde, pessoal! Olha, só Deus sabe o sacrifício que estou fazendo aqui na frente do computador. Ontem, estava com gripe. Hoje, acordei com febre. Espero não estar com pneumonia amanhã. Mas vamos logo ao que interessa. O principal motivo de eu postar algo aqui no blog hoje é o aniversário de 80 anos do Sean Connery. Como é que eu ia passar sem essa, hein? Eu não vou me dar ao trabalho de enumerar aqui tudo o que Sean Connery fez para o cinema. Ficaria até amanhã, na certa. Mas vou fazer uma coisa diferente hoje. Antes de dormir, vou pegar o filme "O nome da rosa" é assisti-lo antes de dormir. E se der tempo, ainda pode rolar um James Bond...

24 de ago de 2010

Andreas Kisser, Jean-Michel Jarre, The Who, U2+Jay-Z, MGMT, Ozzy Osbourne, Pearl Jam, Björk, The Coral, Bob Dylan

O nono volume das "Bootleg series" de Bob Dylan (capa acima) será lançado no dia 19 de outubro. Serão 47 faixas gravadas para os primeiros selos do músico norte-americano, a Leeds Music (em janeiro de 1962) e a M. Witmark & Sons (entre 1962 e 64). A relação de faixas é a seguinte: CD 1: "Man On The Street (Fragment)", "Hard Times In New York Town", "Poor Boy Blues", "Ballad For A Friend", "Rambling, Gambling Willie", "Talking Bear Mountain Picnic Massacre Blues", "Standing On The Highway", "Man On The Street", "Blowin' In The Wind", "Long Ago, Far Away", "A Hard Rain’s A-Gonna Fall", "Tomorrow Is A Long Time", "The Death of Emmett Till", "Let Me Die In My Footsteps", "Ballad Of Hollis Brown", "Quit Your Low Down Ways", "Baby, I’m In The Mood For You", "Bound To Lose, Bound To Win", "All Over You", "I'd Hate To Be You On That Dreadful Day", "Long Time Gone", "Talkin’ John Birch Paranoid Blues", "Masters Of War", "Oxford Town" e "Farewell"; CD 2: "Don't Think Twice, It’s All Right", "Walkin’ Down The Line", "I Shall Be Free", "Bob Dylan’s Blues", "Bob Dylan’s Dream", "Boots Of Spanish Leather", "Walls of Red Wing", "Girl From The North Country", "Seven Curses", "Hero Blues", "Whatcha Gonna Do?", "Gypsy Lou", "Ain’t Gonna Grieve", "John Brown", "Only A Hobo", "When The Ship Comes In", "The Times They Are A-Changin'", "Paths Of Victory", "Guess I’m Doing Fine", "Baby Let Me Follow You Down", "Mama, You Been On My Mind", "Mr. Tambourine Man" e "I’ll Keep It With Mine".

*****

Gostei do estilo vintage do novo videoclipe do The Coral, "More than a lover". Esse é o segundo single do quinto álbum da banda, "Butterfly house".



*****

A cantora Björk também estreou o seu novo videoclipe hoje. "The comet song" foi composta para a trilha sonora do filme "Moomins and the comet chase". O vídeo é fofo, já a música...



*****

Hoje saiu uma matéria grande no site da Billboard sobre o Pearl Jam. Mas pouca gente prestou atenção em um parágrafo perdido no meio do texto. Olha só:
"Apesar de o Pearl Jam ter ficado muito ocupado este ano - eles fizeram turnê pelos Estados e pela Europa, além de lançarem bootlegs digitais de cada show - Gossard divulgou que a banda está ruminando uma turnê sul-americana para 2011.
Será que eles vão voltar ao Brasil em 2011??

*****

Quem também lançou videoclipe hoje foi Ozzy Osbourne. "Life won't wait" é o segundo single de "Scream", último álbum de Ozzy.



*****

Já viram o novo videoclipe do MGMT, "Congratulations"?



*****

Finalmente a "360º Tour" sairá da Europa e dos Estados Unidos. O U2 anunciou que fará uma turnê pela Austrália e Nova Zelândia, entre novembro e dezembro, tendo Jay-Z como convidado especial. A primeira apresentação será no Mt. Smart Stadium, em Auckland, no dia 25 de novembro. Depois, a banda irlandesa parte para a Austrália, com shows em Melbourne (dia 01º de dezembro), Brisbane (dia 08), Sydney (dia 13) e Perth (dia 18). Essa será a primeira vez que o U2 se apresenta em Perth desde 1998.

*****

Eu me lembro que quando estava prestando vestibular, eu arrumei tempo para ver um vídeo religiosamente todos os dias. Foi a fase em que fiquei viciado no The Who. E o vídeo era um show de reunião da banda em 1989, que eu tinha gravado em VHS. Naquele ano, o The Who tinha saído em turnê para comemorar os 25 anos do "The kids are alright". O ponto alto foi uma apresentação em Los Angeles, com diversos convidados especiais (como Elton John, Phil Collins e Billy Idol), e a íntegra da ópera-rock "Tommy". E é exatamente esse vídeo que eu via todos os dias. Além de "Tommy", o show, com quase três horas de duração, contava com os clássicos do The Who, como "Baba O' Riley", nessa versão logo abaixo. O único ponto fraco é que Pete Townshend tinha que tocar violão (ao invés da guitarra) por causa de uma lesão em uma de suas mãos. E esse show em Los Angeles aconteceu no dia 24 de agosto de 1989.



*****

Tem gente que acha o cara um gênio e tem gente que acha um mala. Eu fico em cima do muro, embora esteja mais perto da segunda opção. Mas o aniversário dele não poderia faltar aqui no blog. Instrumentista, compositor e produtor musical francês, Jean-Michel Jarre faz 62 anos hoje. Ele vendeu dezenas de milhões de discos com o seu som cheio de teclados e sintetizadores. Tudo mais ou menos no estilo de "Oxygene 2", um de seus maiores sucessos. Ame-o ou odeie-o.



*****

Boa tarde pessoal! Como é que estamos, hein? Cheguei tarde por aqui hoje. Explico: peguei uma gripe daquelas. E olha que tomei vacina não tem nem três meses. Acho que não serviu pra nada mesmo... Mas vamos começar com o que interessa de cara. Hoje, um dos grandes guitarristas do Brasil faz aniversário. Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura e do Hail!, nasceu a 24 de agosto de 1968, em São Bernardo do Campo. Além de tocar guitarra nas duas bandas, Andreas sempre dá uma forcinha nos shows dos amigos (como os Paralamas do Sucesso e Nasi) e também já lançou um álbum duplo solo, "Hubris I & II".