13 de nov de 2010

Top 5: Videoclipes emblemáticos

Hoje faz 19 anos que Michael Jackson lançou o seu último álbum realmente bom, “Dangerous”. Ok, não vou compará-lo a “Off the wall”(1979) e a “Thriller” (1982), mas também não posso negar que “Dangerous” forma um respeitoso grupo de canções, como “Heal the world”, “Given it to me”, “Will you be there”, “Remember the time”, “Jam” e “Black or white”.

Pode acreditar, mas houve um tempo em que a gente tinha que aguardar ansiosamente a estreia de um videoclipe. Para mim, pelo menos, era tipo jogo do Brasil em Copa do Mundo. Chegava mais cedo em casa, deixava de sair, adiava o jantar... Enfim, não perdia a estreia do novo videoclipe dos meus artistas prediletos. E foi no dia 14 de novembro de 1991, que o vídeo de “Black or white” foi transmitido pela primeira vez pela FOX norte-americana – aqui no Brasil, ainda tivemos que esperar até o domingo, dia 17, para vê-lo no Fantástico, da Rede Globo.

Como de costume, voltei mais cedo para casa (saudades das visitas à casa da vovó nas noites de domingo), liguei a TV e, enfim, vi “Black or white”. O videoclipe trazia inovações que qualquer moleque de nove anos de idade faz hoje num computador. Mas naquela época...

Então, para o top 5 de hoje, escolhi videoclipes que foram importantes para a história da música. Foi muito difícil. Afinal, cinco é muito pouco. Mas foi divertido selecioná-los entre mais de cem. Vamos lá?

******

5) “Black or white” – Michael Jackson
“Thriller” é sempre citado como o videoclipe mais importante de todos os tempos. Tenho minhas dúvidas. Mas, certamente, ele ainda é mais importante do que o de “Black or white”. Mas vamos fugir do mais do mesmo aqui, começando exatamente com aquele vídeo do Michael Jackson que vi pela primeira vez há 19 anos.



*****

4) “Sledgehammer” – Peter Gabriel
Dez prêmios no Video Music Awards, da MTV, em 1987. Não é pouca coisa, não é verdade? Mas foi esse o número de troféus que Peter Gabriel levou para casa por conta de “Sledgehammer”, cujo clipe, um dos mais bem feitos da história, se tornou um marco na era MTV – não à toa, foi o mais executado pela emissora em toda a década de 80. Gravado em “stop-motion”, técnica que dá maior realismo às cenas, o clipe ficou famoso pela clássica cena em que peixes atravessam os ouvidos de Gabriel – para finalizar a cena, foram necessárias 16 horas de filmagens com peixes mortos. A direção foi de Stephen R. Johnson.



*****

3) “Like a prayer” – Madonna
Talvez o videoclipe de “Like a prayer” seja o mais controverso da história. Sim, depois de Madonna, ficou fácil artistas como Lady Gaga e M.I.A. chocarem. Mas, imagina, no final dos anos 80, rodar um videoclipe que batesse de frente com a igreja católica? Não era para qualquer um. Tinha que ser a Madonna para fazer... Dirigido por Mary Lambert, o clipe mostra imagens da cantora norte-americana beijando um santo negro, enquanto canta com cruzes em chamas ao fundo. Como se não bastasse, Madonna ainda simula uma espécie de crucificação, cortando as suas mãos, tal qual Cristo na cruz. À época, a Pepsi tinha pagado os olhos da cara para ter essa música de Madonna em um anúncio. Mas quando o videoclipe estreou, a empresa acabou tendo que tirar a propaganda do ar.



*****

2) “Smells like teen spirit” – Nirvana
Foi aí que o indie deixou de ser indie em sua essência. Um vídeo simples e que acabou se transformando em uma das peças mais importantes da indústria da música, mudando a cara da MTV para sempre. A ideia do Nirvana e do diretor Samuel Bayer era simples: a banda tocaria o futuro hino dos anos 90 em um ginásio de uma escola, rodeada por fãs enlouquecidos, que, ao final, destruiriam todo o cenário. Coisa simples, mas que David Fricke, da Rolling Stone, descreveu como “o maior show que poderia imaginar”.



*****

1) “Bohemian rhapsody” – Queen
Para quem pensa que essa história de videoclipe começou ontem com a Lady Gaga, vale dar uma olhada em “Bohemian rhapsody”, do Queen. Foi lá, em 1975, que nasceu toda a linguagem de um videoclipe, da forma que conhecemos hoje, qual seja, com uma “história” a ser contada, usando diversos takes, no mesmo ritmo da música. “Thriller”, de Michael Jackson, pode até ter sido mais bem feito (de fato, é bem mais impactante mesmo). Mas vamos combinar que “Thriller” só existiu por causa de “Bohemian rhapsody”.



*****

Você se lembrou de algum videoclipe bacana que poderia estar aqui? Mande a sua ideia pelo twitter. Para quem não sabe, é esse aqui: @esquinadamusica.