2 de out de 2008

SHOW: DAVE MATTHEWS BAND – VIVO RIO (DIA 30/09/08) – PROFISSIONALISMO DE UNS E EMOÇÃO DE OUTROS

Quem esteve presente na noite da última 3ª feira no Vivo Rio, saiu com a sensação que assistiu ao show internacional do ano (com um pequeno desconto porque o R.E.M. e o Queen ainda não se apresentaram por aqui). Com um profissionalismo poucas vezes visto, a Dave Matthews Band subiu ao palco da casa de shows do Aterro do Flamengo às 21h30 em ponto e de lá só saiu aos 55 minutos da 4ª feira. Isso mesmo... Dave Matthews e seus companheiros brindaram o público carioca com nada menos do que três horas e vinte e cinco minutos de show.

A banda norte-americana sempre teve como forte característica apresentar longos shows, com um repertório variável de apresentação para apresentação. Nas duas primeiras vezes que esteve no Brasil, a Dave Matthews Band se apresentou em festivais. O primeiro, em 1998, no extinto Free Jazz e o segundo no Rock in Rio 3, realizado em 2001. Nenhuma das duas apresentações ultrapassou os 60 minutos de duração, devido ao cronograma apertado dos festivais. Mais nessa terceira apresentação no Rio de Janeiro, a banda realmente tirou o atraso.

Em entrevistas publicadas pela imprensa durante a semana, Dave Matthews disse que o Rio era uma das cidades prediletas do falecido saxofonista LeRoi Moore, e, por isso, a banda pretendia fazer um show especial, com possibilidade até mesmo de ser lançado um CD com o áudio da apresentação no futuro. No que depender do público, dificilmente esse álbum não sairá. Se a Dave Matthews Band deu o seu habitual show de profissionalismo, com um repertório que cobriu todas as fases de sua carreira, o público surpreendeu à banda prestando uma linda homenagem ao falecido músico.

Em um dos momentos mais emocionantes do show, durante a apresentação de “#41”, a platéia fez um belo show jogando centenas de balões brancos para o alto, enquanto gritava o nome de LeRoi. Era claro notar no rosto de Dave Matthews que ele parecia não acreditar no que estava vendo. Ao final, ainda disse: “Leroi Moore gostaria de estar aqui”.

Mas não foi só em “#41” que o público surpreendeu. Desde a primeira canção (“Bartender”) do farto roteiro, por várias vezes, a voz do vocalista era encoberta pelo coro do público. O mesmo se repetiu em grandes sucessos do grupo, como “Warehouse”, “The Stone”, “Crush”, “So Much To Say”, “Satellite”, entre outros. Os momentos de virtuosismo também foram muitos. E o que poderia, em um primeiro momento, cansar um pouco o público, transformou-se nos grandes momentos do espetáculo. O impressionante solo de violino de Boyd Tinsley em “Ants Marching” foi algo indescritível, não à toa o momento mais aplaudido da noite.

Jeff Coffin, que teve a (in)grata missão de substituir LeRoi Moore, se não tem a mesma elegância do falecido saxofonista, não deixou nada a dever à LeRoi, em ótimos solos, como os de “Stay Or Leave” ou até mesmo na introdução de “Say Goodbye”, quando duelou, na flauta, com o pífano de Carlos Malta. Já o baterista Carter Beauford, um verdadeiro polvo na bateria, deu o seu habitual show, emprestando todo o peso que o seu instrumento merece, em grande momentos como “Don’t Drink The Water”, o apoteótico final com “Two Step” e a ótima versão para o rock “Burning Down The House”, dos Talking Heads.

Nessa última, o guitarrista Tim Reynolds, outro convidado especial da noite, mostrou porque foi o músico escolhido por Dave Matthews para acompanhá-lo em sua carreira solo. Se nos shows solo do vocalista, Reynolds mostra toda a sua classe ao violão, na última 3ª feira, ele mostrou que também pode colocar fogo com a sua guitarra.

O show que a Dave Matthews Band apresentou no Rio é daquele tipo que a gente fica falando por vários dias a célebre frase: “eu estava lá”. Sem dúvidas, essa apresentação merece tal frase. Não só por alguns dias, mas meses, anos...

Abaixo, um vídeo amador de “#41”, momento em que o público homenageou o saxofonista Leroi Moore.

Cotação: *****

Um comentário:

Anônimo disse...

O SHOW FOI REALMENTE UM MAAAAXIMO! QUERIA VOLTA NO TEMPO PRA SENTI TUDO AQUILO DENOVO! REALMENTE, ELES SAO INCRIVEIS