11 de out de 2008

CD: “THAT LUCKY OLD SUN” (BRIAN WILSON) – A PROVA DEFINITIVA DO RENASCIMENTO

Brian Wilson sempre esteve presente no panteão dos imortais do rock. Apenas “Pet Sounds”, célebre disco lançado em 1966, já seria o suficiente para fazer do norte-americano um dos compositores mais influentes da história do gênero musical. Mais uma penca de clássicos, como “Fun, Fun, Fun”, “I Get Around”, “California Girls”, “Don’t Worry Baby” e “Good Vibrations”, somente para citar alguns, não deixam dúvidas de que Brian Wilson, de fato, está ao lado de artistas como Paul McCartney, Mick Jagger e Bob Dylan.

Mas desde que saiu dos Beach Boys e os seus conseqüentes problemas mentais – que o até impediram de, à época, concluir o seu ambicioso projeto “Smile” –, Brian Wilson ficou um bom tempo desaparecido, e, quando aparecia, lançava discos que, nem de longe, lembravam aquele músico capaz de compor canções que entraram para o imaginário popular de toda uma geração.

No início do milênio, Brian Wilson surpreendeu a todos com um retorno triunfal aos palcos para apresentar, na íntegra, o disco “Pet Sounds”. Apesar de se mostrar meio intimidado no palco, junto a um teclado que mal tocava, e lendo as letras das canções no monitor, os shows foram o suficiente para reacender a chama para que Wilson terminasse o seu “Smile”, que finalmente viu a luz do dia em 2004. A partir daí, Wilson fez mais outros shows espetaculares, como os brasileiros tiveram a oportunidade de conferir em 2004.

Quatro anos se passaram, o ex-Beach Boy retornou à Capitol, gravadora que lançou a sua banda, e agora é a vez de “That Lucky Old Sun”, álbum que segue o mesmo padrão de “Smile”, ou seja, uma mini-ópera-rock, com uma temática central, com Wilson acompanhado por uma imensa big band, repleto de canções que poderiam tranqüilamente estar em qualquer disco clássico dos Beach Boys, como “Good Kind Of Love”, “Forever She’ll Be My Surfer Girl” e “Oxygen To The Brain”.

“That Lucky Old Sun”, que fala de uma Califórnia ensolarada dos anos 60, aquela mesma aonde os Beach Boys conheceram a fama, é um verdadeiro tributo ao Estado que tem como Los Angeles a sua cidade mais importante. E isso fica claro logo na segunda faixa, “Morning Beat” (“Another dodger blue sky is crowning L.A. / The city of angels is blessed everyday / That Lucky Old Sun smiles on me”), com uma letra que cita lugares importantes da cidade como o píer da praia de Santa Monica e as montanhas de Hollywood.

“Going Home” e a singela “Southern California”, com os seus belos arranjos vocais, uma das marcas registradas dos Beach Boys, lembram os melhores momentos de sua antiga banda. E o início da ‘mariachi’ “Mexican Girl” dá a impressão de que Wilson vai começar a tocar “Pet Sounds” (a música).

Mas ao mesmo tempo em que canta o sol de uma paradisíaca Califórnia, Brian Wilson, em um trabalho autobiográfico, relembra as suas tristezas de um período em que permaneceu artisticamente morto. Canções como a lenta “Midnight’s Another Day” (“All these voices, all these memories / Made me feel like stone / All these people made me feel so alone”) e “Going Home” (“At 25 I turned out the light ‘cos I couldn’t handle the glare in my tired eyes / But now I’m back drawing shades across the sky”) colocam o dedo na ferida de uma forma singela e emocionante. Brian Wilson não ri do passado, mostrando uma melancolia que chega a emocionar. E “That Lucky Old Sun” é a perfeita harmonia, depois de tantos anos, de Wilson com o seu trabalho.

Abaixo, a canção “Forever She’ll Be My Surfer Girl”.

Cotação: ****1/2

Nenhum comentário: